Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Malik, uma outra forma de poesia...

Malik, uma outra forma de poesia...

Vazio

 

 

vazio2.jpg

 

 

 

Sinto-me vazio

talvez seja inverno

fui à janela, espreitei, mas não consegui perceber,

a solidão está a doer

como o calor do inferno

e eu sinto frio, muito frio...

 

Preciso talvez de viajar

mas não da forma que tenho vindo a fazer,

desta vez saindo mesmo do lugar

partir sem pensar em voltar

nenhum destino a alcançar

deixar a vida acontecer...

 

Não, não estou a divagar,

preciso apenas de me levantar, de me erguer

e sair...

perdendo-me... poder-me-ei encontrar...

 

Sinto-me vazio...

Está frio, muito frio...

 

 

Malik

 

De amor nua

 

 

deamornua2.jpeg

 

 

 

De amor nua

bailando na brisa

que teima em passar,

é filha da rua

maior poetisa

que sabe ensinar;

 

Cabelos ao vento

acorda dorida

de tanto dançar,

é o desalento

da alma sentida

que a faz soluçar;

 

Um raio de luz

calor do universo

para a consolar,

vida de cruz                                    

caminho incerto

para onde rumar?

 

 

Malik

 

Uma criança

 

 

umacriança2.jpg

 

 

 

A criança corria, o mundo fugia debaixo dos pés

ia crescendo na onda do tempo ao sabor das marés,

oferecia magia, criava alegria, risos eram mil

seu olhar brilhava enquanto brincava no parque infantil;

 

Cantava, saltava e dançava, inocência sem dor

qual flor delicada, nascida e criada em ninho de amor,

mundo de cor, estrela maior,  arco-íris no ar

rosa sem espinho, ternura e carinho, a desabrochar;

 

Pétalas encarnadas, talvez encantadas por fada de luz

ventos de harmonia, de noite e de dia, ainda sem cruz,

da tranquila idade para a mocidade sem poder escolher

aquela criança, depois da bonança, será uma mulher;

 

Tanta felicidade lembrará mais tarde no livro da vida

da infância pura, ingénua e segura, já não permitida,

falará de saudade e da liberdade de que usufruiu

nostalgia dum tempo, tão simples e lento, que ontem partiu.

 

 

Malik

 

Nada é em vão

 

 

nadaéemvão1.jpg

 

 

 

Nada é em vão

para tudo há uma razão

que por vezes nos escapa,

até o caos tem lugar

na hora de lamentar

os trilhos do nosso mapa;

 

Se a vida fosse serena

a alma seria pequena

o sonho perdia valor,

a paixão seria amena

o amor em quarentena

tudo perderia cor;

 

Pintemos a tela da vida

com música suave e colorida

de tons vivos em esperança,

que daqui a muitos anos

afirmemos sem enganos

que viver foi uma dança;

 

Dançada com razão e coração,

e nada,

nada foi em vão!

 

 

Malik

 

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.